A Noiva (2017)│Crítica

Uma tradição funerária russa ganha vida de forma macabra

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Todas as culturas do mundo possuem rituais para se despedir de seus mortos. É um processo que o ser humano cria para lidar com a morte e o sentimento de luto. Curiosamente, o que deveria suavizar o sentimento de perda acaba criando hábitos assustadores, principalmente quando observamos culturas diferentes. Também existe o fator do tempo, pois uma mesma cultura pode criar e abandonar hábitos funerários com o decorrer de sua história. O filme A Noiva explora um desses hábitos que surgiu quando a fotografia começou a se popularizar pelo mundo.

No século XIX muitas pessoas acreditavam que o negativo das fotos era capaz de capturar a alma de uma pessoa que havia acabado de morrer. Um fotógrafo tenta resguardar a alma de sua falecida esposa dessa forma, mas acaba gerando uma maldição que ecoa até os dias atuais. Uma garota acaba de se casar com um rapaz que é membro de uma família que está associada a esse antigo fotógrafo e, por consequência, com a maldição gerada por ele.

Antes de qualquer coisa é preciso dizer que a cabine de imprensa para qual o Tarja foi chamado exibiu o filme dublado em inglês, sendo que a língua original é o russo, e com legendas em português. A dublagem em inglês é deplorável e, por vezes, até atrapalha um pouco a compreensão das cenas. Falas desconexas com movimentos labiais e interpretações que não condizem com o que está se passando. Logo não farei comentários sobre os atores e seus desempenhos. Não sei se o filme será exibido assim nos cinemas, mas espero que não, pois o trabalho de dublagem em inglês ficou péssimo.

As primeiras cenas do filme se passam no século XIX e até possuem um clima levemente interessante, apesar de bastante confuso no propósito dos personagens. O único momento tenso e com alguma possibilidade de gerar medo acontece logo na primeira cena. Assim que o longa vai para o mundo contemporâneo, inicia-se um festival de clichês num fiapo de roteiro. Algumas falas são tão absurdas que parecem piadas de tão incongruentes com a história. O filme não preza por qualquer coerência interna.

Num filme de terror é necessário que os elementos sobrenaturais possuam o mínimo de lógica, por mais que tais eventos não sejam de origem natural, não significa que eles não devam obedecer a nenhum tipo de lógica interna que deve ser estabelecida pelo roteiro ou pela direção. A Noiva é completamente incapaz de seguir esse preceito básico que toda a narrativa precisa. A maioria dos personagens tomam diversas atitudes sem sentido e sem propósito, dentro de uma trama que lá no fundo não existe ou que não possui nenhuma lógica, aliás, o filme termina com vários pontos não explicados que são simplesmente ignorados.

A protagonista interpretada por Victoria Agalakova é completamente passível e aceita diversos absurdos impostos a ela sem questionar. As antagonistas desejam executar um plano maligno, mas se contradizem o tempo todo, além de dizerem diversas frases que se mostram sem nenhum significado. Tudo é tão mal contado e construído que beira ao ridículo e consegue arrancar risadas não intencionais.

No quesito terror o filme falha igualmente. Talvez o único ponto positivo é ele não abusar do jumpscare. Entretanto, a figura sobrenatural em questão possui um visual excessivamente comum e possui uma participação diminuta. Quando participa, nada faz de interessante e também acaba tomando um tom acidentalmente cômico. Poucos são os momentos tensos do filme, mas eles perdem o seu propósito devido ao desastre que é esse roteiro.

Mais uma obra para entrar para a lista de piores filmes do ano. Um terror que falha em quase todos os sentidos. Imagino que a única coisa que faça alguém ir até o final da exibição é ter algumas respostas para os mistérios levantados, mas alguns são deixados em aberto e as respostas que temos não satisfaz.


A Noiva

Nota

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

What do you think?

1 point
Upvote Downvote

Total votes: 1

Upvotes: 1

Upvotes percentage: 100.000000%

Downvotes: 0

Downvotes percentage: 0.000000%

Written by Raul Martins

Raul Martins

Viciado em mais coisas nerds do que deveria

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…